O impacto da falta de recursos nos cuidadores

O século passado ficou marcado por um intenso desenvolvimento tecnológico o que contribuiu de modo muito significativo para a resolução de diversos problemas de saúde. Hoje, em pleno século XXI, deparamo-nos com desafios crescentes, como seja a redução da mortalidade infantil e o aumento da esperança de vida, por forma a conseguir alcançar um número cada vez maior de pessoas a atingir idades mais avançadas. Por outro lado, o envelhecimento populacional assume-se como uma evidência irrefutável e com sérias consequências para a sociedade, na medida em que exerce implicações diretas na esfera socioeconómica, na sociedade e no sistema de saúde, mas também na família e a nível individual (Araújo, Paul & Martins, 2010).

Os cuidadores informais desempenham um papel fundamental no cuidado da pessoa dependente, pelo que, na maioria dos casos, a prestação de cuidados revela-se como uma atividade extremamente desgastante e que transporta consigo um aumento dos níveis de stress e de sobrecarga. Neste sentido, a coordenação com os diferentes profissionais de saúde (e.g., enfermeiros/as; psicólogos/as; assistentes sociais) afigura-se de extrema importância, para que sejam satisfeitas as necessidades do cuidador e se preserve o seu nível de saúde e bem-estar, assegurando assim a continuidade dos cuidados prestados à pessoa dependente (Melo, Rua, Santos, 2014).

Por sua vez, a falta de recursos associada à prestação de cuidados exacerba os níveis de sobrecarga, bem como a sintomatologia associada (e.g., ansiedade e depressão), na medida em que consubstancia um desafio acrescido a esta tarefa (Sequeira, 2010).

Em suma,  a apresentação aqui exibida reflete a realidade com que tantos profissionais dos cuidados de saúde primários se defrontam diariamente, pelo que se recomenda o incremento da cooperação entre cuidador informal e cuidador formal, bem como o reforço e criação de medidas de apoio aos cuidadores informais para que estes possam continuar a desempenhar o seu papel.

Esta entrada foi publicada em Psicologia, com as etiquetas , , por URAP Porto Oriental. Ligação permanente.

Sobre URAP Porto Oriental

Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados Somos uma unidade de saúde do Agrupamento de Centros de Saúde Grande Porto VI - Porto Oriental Sede da Unidade: Barão de Nova Sintra Presta serviços Assistenciais diretamente aos utentes do ACeS e serviços de consultoria técnica especializada aos profissionais de saúde das Unidades Funcionais do ACeS. Planeia e executa formação técnica especializada e desenvolve trabalho em articulação com parceiros externos, nomeadamente hospitais da sua área de influência

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s